Category Archives: Sexualidade

Veja mitos e verdades sobre a sexualidade na gestação

Quando se trata de sexualidade, muitos tabus ainda rondam o tema. E quanto chega a gravidez, as dúvidas aumentam ainda mais. Será que o casal não deve fazer sexo durante a gravidez? Existem restrições na relação sexual? A forma como a gestante percebe a estética de seu corpo pode influenciar na sexualidade?

Segundo o ginecologista Renato de Oliveira, a maioria dos casais que serão pais pela primeira vez vai ao médico com inúmeras dúvidas. Até mesmo entre aqueles que já tiveram problemas com gravidez, os questionamentos também se tornam evidentes. Para tirar essas e outras dúvidas, o especialista esclarece as principais perguntas.

1) Manter relações sexuais durante a gravidez é seguro

Verdade.

De acordo com o especialista, se for uma gravidez normal, sem complicações ou riscos, o sexo é seguro, liberado e recomendado. Muitas pesquisas já mostraram que as relações sexuais são bem-vindas na gravidez, tanto fisicamente quanto emocionalmente, já que isso ajuda a manter um vínculo efetivo entre o casal.

Restringir a sexualidade durante toda a gravidez acaba limitando o relacionamento, portanto, se o médico contraindicar, é importante conversar sobre outras maneiras de ter uma relação sexual sem penetração, justamente para não acabar com essa troca de olhares e carinho.

Vale salientar que, em algumas situações como a presença de sangramento vaginal ou placenta de inserção baixa, não se recomenda a prática de relações sexuais durante a gravidez. Isto será avaliado e orientado pelo seu obstetra.

2) A mulher grávida não tem orgasmos

Mito.

A mulher grávida pode ter orgasmos normalmente. Se isso não estiver ocorrendo, na maioria das vezes e após avaliação médica, o que pode atrapalhar a relação é o fator psicológico.

Há casais que optam por não ter relações sexuais com penetração, devido ao tamanho da barriga ou à proximidade com o parto, preferindo dedicar-se ao sexo oral ou a masturbação mútua. Esta opção pode ser feita.

3) Algumas mulheres, durante a gravidez, tem a libido diminuída

Verdade.

Oliveira afirma que isso pode acontecer, afinal, as mudanças no corpo podem afetar a vida sexual em algum momento. Há mulheres que sentem ainda mais prazer, pelo fato de não terem de se preocupar com a contracepção. Mas outras ficam mais cansadas ou enjoadas, principalmente no primeiro trimestre.

Vale destacar que o segundo trimestre costuma ser marcado pela volta da libido, que pode voltar a diminuir quando a gravidez chega ao terceiro trimestre, por conta do desconforto da barriga ou pela ansiedade com a aproximação do parto.

4) O ato sexual prejudica o bebê

Isso é mito.

O bebê não é prejudicado com o ato sexual, pois a membrana protetora que sela a cerviz ajuda a protegê-lo. Além disso, o saco amniótico e os fortes músculos do útero também o protegem. Durante um orgasmo, por exemplo, o bebê pode mexer-se mais vezes.

5) O orgasmo pode induzir o parto

Verdade.

Há esta possibilidade uma vez que o orgasmo liberta oxitocina, que faz com que o útero sofra contrações. O sêmen também contém prostaglandinas, que pode causar um efeito semelhante se for ejaculado na vagina nestas condições.

6) Os fetos também se beneficiam da sensação de prazer durante o sexo por causa da liberação de endorfina

Mito.

O ginecologista afirma que não há trabalhos científicos que embasem esta afirmação. O importante mesmo, para o bom desenvolvimento do bebê, é a mãe estar com boa saúde, tanto física quanto psicológica. No entanto, é importante salientar que, no último trimestre da gestação, o bebê está mais sensível aos estímulos do meio externo, como sons ou movimentos, por exemplo.

Com relação ao sexo dos pais, ele poderá sentir mais estimulação mecânica, da mesma forma que ocorre quando a mãe se locomove nas suas atividades diárias.

Número de Visualizações: 862

Gravidez e parto influenciam na libido

A gravidez é um período muito conturbado da vida de uma mulher. No sentido físico ou emocional, as coisas mudam radicalmente, entre elas, o sexo.

Durante os três primeiros meses de gestação, a mulher pode passar por um período de instabilidade emocional, interferindo diretamente na vida sexual do casal. Além do aparecimento de enjoo, vômito, cansaço e sono que inibem a prática. Mas isso tudo depende. Nesta fase, algumas mulheres podem ter a autoestima abalada, os sentimentos confusos e sentir muita insegurança. No entanto, há outras que sentem a feminilidade em alta.

O problema pode aumentar com a gestação vai chegando a seu fim. Dores nas costas, desconforto por causa da barriga, expectativa e ansiedade podem atrapalhar o sexo.

Depois que o bebê nasce, geralmente, a mãe tende a concentrar seus esforços nele, deixando a prática sexual em segundo plano. De fato, recomenda-se que a penetração não ocorra no período de quarentena (quando o útero ainda está se readequando e voltando ao natural), mas é importante que o casal saiba driblar isso. Carícias, masturbação e sexo oral estão liberados.

Com isso, vem a amamentação. Neste período, os níveis de estrogênio diminuem, o que compromete a lubrificação vaginal, podendo acarretar dores na hora do sexo. O recomendado é que a mulher converse com seu ginecologista e cogite a possibilidade do uso de um creme vaginal à base de água.

Independente da fase que se está vivendo o importante é conversar com o parceiro, explicar o que se está sentindo para que, juntos, vocês possam encontrar soluções.

Segundo a sexóloga Fátima Protti, colunista do Delas no IG, é importante que a mãe saiba dividir os cuidados entre a criança e ela mesma.
"Volte aos cuidados com seu corpo, retome aos poucos a atividade física, cuide das unhas, do cabelo e da pele", recomenda.


Ainda segundo a especialista, recordar boas transas pode ser um incentivo, assim como provocar e excitar o parceiro durante o dia.
"Provocações eróticas, durante o dia, são um ótimo estimulante para a sedução. Ir para o sexo de forma automática é extremamente broxante", finaliza.
Número de Visualizações: 831

Vídeo = Estética e Sexo durante a gravidez

Veja no vídeo abaixo do programa Viva Melhor com dicas práticas de como cuidar da estética durante a gravidez, assim como sobre o sexo e outros assuntos com a Ginecologista Obstetra Dra. Fernanda Pauro.
Número de Visualizações: 914

Uma em cada 200 jovens diz ter engravidado sendo virgem

Uma jovem americana em cada 200 declara ter ficado grávida apesar de ainda ser virgem. Este foi o resultado de um estudo publicado recentemente no "British Medical Journal" (BMJ). De um total de 7.870 mulheres que participaram de um estudo em nível nacional de longa duração (1995-2009) e confidencial, 45 delas, ou seja, 0,5%, afirmam ter concebido sem o menor contato sexual com penetração vaginal. Nenhuma delas declarou ter recorrido a algum tipo de assistência médica para a procriação (inseminação artificial ou fecundação 'in vitro').

Quase um terço destas mulheres que afirmam ter ficado grávidas antes de sua estreia sexual fizeram voto de castidade antes do casamento (31%), algo muito comum entre os cristãos conservadores.

Os resultados se apoiam nas respostas a uma série de perguntas sobre o histórico de sua gravidez e o início de suas relações sexuais, embora as mulheres não tenham sido perguntadas diretamente se eram virgens no momento em que ficaram grávidas. Apesar de todas as precauções tomadas pelos pesquisadores, não se descarta uma possível falta de compreensão das perguntas em alguns casos, admitem os autores do estudo.

Por sua vez, "há algumas semanas tentamos verificar se este fenômeno se limita apenas às mulheres", indicou Amy Herring (docente da Universidade da Carolina do Norte, Chapel Hill, Estados Unidos), líder deste trabalho. "Também encontramos alguns pais 'virgens', algo que é ainda mais difícil de compreender", declarou com um sorriso.

Estes resultados trazem à tona algumas questões relativas à educação sexual, mas, sobretudo, à dificuldade para obter dados precisos sobre a vida sexual dos jovens, concluiu.
Número de Visualizações: 693

Vídeo = Sexo na Gravidez e no Pós-Parto

Vejam um vídeo com dicas com duas especialistas de como não deixar esfriar a relação e o sexo durante a gravidez e depois no pós-parto.


E com você anda acontecendo isto?
Número de Visualizações: 692

Video = Lingerie para Gestante

As mulheres estão sempre preocupadas em estar na moda, e as tendências não se restringem mais apenas as roupas. As lingeries também se renovam, procurando novos segmentos, e as grávidas estão tendo um mercado cada vez mais amplo de ligeries com modelagem especializada própria para as necessidades das gestantes. Muitas são as opções para passar a gestação com muito estilo, sem esquecer do conforto, e por que não também da sensualidade, como podem ver na matéria do video abaixo que aborda o tema, e mostra algumas das novidades do setor com foco nas grávidas.


Lembrando de que a Zazou tem uma área nas lojas com uma linha completa de lingeries para gestantes com vários modelos e cores diferentes dos melhores fabricantes com um preço bem atraente.
Lingerie para Grávidas na Zazou Moda Gestante

Número de Visualizações: 1245

Video = Atividade Sexual na Gravidez

Você está grávida, e perdeu muito o apetite sexual durante a gravidez? Ou ao contrário aumentou?

Vejam o que diz um especialista sobre o tema no programa "Saúde e Sexualidade no Rádio" transmitido pela Rádio Trianon AM 740, todos os Domingos, às 10 horas da manhã.
Número de Visualizações: 1003

Video = Dicas sobre o Sexo na Gravidez

Sexo na gravidez é ou não prejudicial ao bebê? Se não é, devo tomar cuidados? Quais?

Veja no vídeo abaixo do programa "Sexo, Coisas & Tal", que esclarecer essas e outras dúvidas sobre o sexo durante o período gestacional, confira!
Número de Visualizações: 1073

Video = Sexo na Gravidez

Sexo na gravidez é ou não prejudicial ao bebê? Se não é, devo tomar cuidados? Quais?

Veja no vídeo abaixo uma edição do programa "Sexo, Coisas & Tal" que esclarece essas e outras dúvidas sobre o sexo durante o período gestacional, confira!
Número de Visualizações: 1498

Video = Qual a importância da prática sexual durante a gravidez?

Qual a importância da prática sexual durante a gravidez?

Veja detalhes com uma especialista no vídeo abaixo.
Número de Visualizações: 976

Sexo durante a gravidez não induz o parto

Apesar das crenças populares de que fazer sexo durante os estágios mais avançados da gravidez podem antecipar o parto, um novo estudo conduzido por pesquisadores da Malásia afirma que manter relações sexuais não afeta a duração do período de gestação.
Sexo durante a gravidez não induz o parto

"Estamos desapontados. Não encontramos nada que sustente a associação", disse Tan Peng Chiong, professor de obstetrícia e ginecologia da Universidade de Malaya e um dos autores do estudo. "Teria sido legal para os casais ter algo seguro e efetivo com que pudessem contar para antecipar o trabalho de parto se quisessem", completou.


Tan disse que a maioria das mulheres acredita que o sexo pode induzir ao parto, enquanto cientistas propuseram uma série de explicações biológicas plausívels para embasar a crença. Uma delas aponta que o semem contém uma substância hormonal chamada prostaglandina, que é usada para estimula o trabalho de parto a forma sintética. Outra indica que o orgasmo ativa contrações uterinas.

Para ele, porém, a crença provavelmente nasceu da perpecpção popular de que sexo na gravidez pode ser inseguro para o feto e causar sua 'expuslão', apesar de todas as evidências provando o contrário. Mas poucos trabalhos pesquisaram se o sexo realmente pode induzir ao parto e as poucas evidências existentes são inconclusivas, afirmaram Tan e seus colegas no BJOG, publicação científica da área da ginecologia.

"A indução ao parto em gestações prolongadas é comum e muitas mulheres ficam tentadas por uma série de razões a querer encurtar o período de gravidez nos estágios mais avançados", completou Tan.


O estudo analisou 1,1 mil mulheres grávidas de 35 a 38 semanas (a gravidez geralmente dura 40 semanas) que não haviam mantido relações sexuais nas últimas 6 semanas. Cerca de metade delas ouviu do médico que manter a vida sexual ativa ajudaria a induzir o parto, enquanto a outra parte ouviu que sexo durante a gestação é seguro, mas seus efeitos não eram conhecidos.

Os pesquisadores monitoraram as mulheres para determinar quanto a gravidez durou e se foi necessária a intervenção médica para o parto. Eles descobriram, então, que 85% das foram aconselhadas a fazer sexo seguiram a indicação médica, enquanto as que não foram estimuladas também mantiveram relações.

Os índices de partos induzidos foram similares em ambos os grupos, 22% entre as que receberam conselhos, e 20,8% entre as que não receberam. A diferença, dizem os pesquisadores, é tão pequena que pode ter ocorrido ao acaso. A gravidez durou uma média de 39 semanas para ambos os grupos.

Jonathan Schaffir, professor da Escola de Medicina da Universidade do Estado de Ohio (Estados Unidos), disse que as descobertas são um bom indício científico de que o sexo não antecipa o parto. Ele acrescentou que o estudo indica que não há riscos em manter relações durante a gestação. "Mesmo que esse estudo não mostre nenhum aumento ou diminuição na taxa de indução de parto, ajudou a embasar a ideia de que fazer sexo é seguro", concluiu.
Número de Visualizações: 3269

Até quantos meses de gestação posso manter relação sexual segura com meu marido?

Uma dúvida muito comum para as grávidas e também seus maridos é até quantos meses de gestação podem manter relação sexual segura? De um modo geral, a atividade sexual durante toda a gestação é permitida, mas requer alguns cuidados.
Até quantos meses de gestação posso manter relação sexual segura com meu marido?
Segundo o presidente da Comissão de Assistência Pré-natal da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia, Sérgio Peixoto, no primeiro e no último trimestre o casal deve evitar relações intensas e posições que proporcionem um grande aprofundamento do pênis. Isso porque o colo uterino é uma zona reflexógena e, quando tocado pode provocar contração, que, no início da gestação, pode ocasionar um aborto e, no final, um parto prematuro.
“As posições convencionais, como papai e mamãe ou lateral são as mais recomendadas”, afirma o médico.
Uma dica é se apoiar do lado esquerdo do corpo, que pode proporcionar maior conforto à gestante, uma vez que há menos pressão sobre o fígado. Mas o que toda grávida deve fazer é procurar a posição que se adapta melhor a ela e àquele período da gestação, lembrando sempre a recomendação anterior.
“Em alguns casos específicos, como gestante com histórico de abortamento ou parto prematuro anterior, o obstetra pode recomendar a abstinência. Por isso é sempre importante conversar com seu médico sobre o assunto”, conclui Sérgio.
Número de Visualizações: 2289

Sexo na Gravidez

A gravidez é um período de mudanças físicas e psicológicas que gera uma série de dúvidas para as mulheres e seus parceiros. Além dos novos hábitos alimentares, ansiedade com a chegada do bebê e alguns desconfortos, é preciso atenção para não deixar a vida sexual de lado.
Sexo na Gravidez
Afinal, fazer sexo durante a gravidez pode machucar o feto? Quais as melhores posições sexuais durante a gestação? É verdade que o desejo diminui nessa fase? Para responder essas e outras dúvidas, veja abaixo o que alguns especialistas no assunto dão de dicas até para mostrar de que fazer sexo nos meses que antecedem o parto não é um bicho de sete cabeças. Aliás esta foi uma das palestra que teve mais atenção ontem durante o evento do Dia da Gestante, quando o tema também foi adordado. 1) O sexo durante a gravidez é seguro e liberado? Sim, Se for uma gravidez normal, o sexo é seguro, liberado e recomendado. Existem trabalhos científicos que mostram que o sexo é bem vindo na gravidez, tanto fisicamente como emocionalmente. A gestação ocorre durante o exercício da sexualidade e por isso, manter esse exercício é manter um vínculo efetivo do casal. 2) O desejo pode diminuir ou aumentar com a gestação? Sim. A mulher passa por várias fases durante a gravidez, com mudanças físicas e emocionais. Até o 3º mês, há uma diminuição do desejo por uma questão física, hormonal e psicológica. Do 3º ao 6º mês, a sexualidade melhora em 80% porque os desconfortos do primeiro trimestre diminuem e autoestima aumenta. Já o final da gravidez é marcado por inchaço, limite máximo físico, cansaço e ansiedade com a chegada do bebê. Nessa fase, o desejo volta a cair. 3) É verdade que o pênis pode machucar o bebê? Não. Durante a relação, o pênis é introduzido no canal vaginal enquanto o embrião fica na cavidade intrauterina, protegido por uma bolsa de líquido amniótico. Da cavidade do útero até o canal vaginal, tem o colo uterino. Então não é possível que o pênis tenha contato com o bebê. 4) O orgasmo pode estimular o parto? Não, desde que a gravidez esteja em condições normais. Essa dúvida pode surgir porque durante o fim do segundo trimestre e começo do terceiro, é comum que as mulheres tenham contrações após fazer alguns exercícios. São chamadas de contrações de Braxton Hicks e não são dolorosas. Como as mulheres percebem após a relação, podem achar que o sexo faz mal, mas não é verdade. 5) Quais problemas podem restringir a vida sexual da grávida? Sangramento é o primeiro sinal vermelho. Se a gestante tiver perda de sangue precisa evitar a relação até orientação médica. Outros fatores que restrigem a vida sexual durante a gravidez são incompetência istmo cervical, quando o colo fica aberto e pode provocar aborto -, rotura de bolsa que diminui a proteção do feto, e deslocamento prematuro da placenta. Há também fatores relativos, como infecções urinárias, viroses, quadros em que a paciente precisa fazer repouso, preparo para exames do pré-natal, depressão ou anemia. Nesses casos, pode namorar, mas o pênis não pode penetrar na vagina. As carícias e masturbação estão liberadas. 6) Quais as melhores posições sexuais? Cada casal tem um hábito sexual, mas durante a gravidez é preciso procurar posições que não prejudiquem a mulher ou causem desconforto. O importante é não fazer peso na barriga e não escolher posições em que o encaixe é mais profundo, como a de quatro. Por isso, a mais recomendada é a posição de lado, em que a mulher pode ter a ajuda de um travesseiro para apoiar a barriga e consegue controlar a penetração. 7) O sexo anal é proibido durante a gravidez? O sexo anal não é proibido durante o período gestacional, mas merece cuidado redobrado porque aumenta o risco de infecções. Portanto, o indicado é sempre usar preservativo e lubrificante. Outra dica importante é beber muita água e fazer xixi antes e depois da relação, tanto o homem quanto a mulher. Isso ajuda a manter a via urinária limpa e evita problemas. 8 ) É mais difícil ter orgasmo durante a gravidez? Sim. No geral, as mulheres têm mais dificuldade para relaxar e atingir o orgasmo durante a gravidez, mas não é uma regra. O contrário também pode acontecer. Algumas mulheres têm orgasmo pela primeira vez durante esse período. Normalmente, aquelas que tiveram medo de engravidar a vida toda aproveitam essa fase para relaxar mais no sexo. 9) Como lidar com as mudanças físicas para se sentir sexy durante a gravidez? Algumas mulheres se incomodam com os quilinhos a mais, as mudanças do corpo e se sentem menos sexy durante a gravidez. Nessa hora, o melhor é se identificar com a situação e incorporar a nova identidade. Gravidez não é doença, mas altera os hormônios e traz mudanças. O seio passa a ser peito, a barriga cresce, mas é temporário. É importante entender que esse é um período transitório e que ela está usufruindo do corpo de outra forma, para gerar uma vida. 10) Quando voltar a ter relações após o parto? Tudo depende da via de parto e do pós-operatório. No geral, as mulheres estão liberadas para as relações sexuais cinco semana após o nascimento do bebê. Nessa fase, segundo Ana Paula, é importante que a mulher escolha as posições e o parceiro respeite os limites, porque o hormônio que produz leite diminui a lubrificação vaginal.
Número de Visualizações: 2360

A gravidez pode diminuir a libido nas mulheres?

Alguns casais ainda vivem conflitos e insatisfações com relação à vida sexual durante a gravidez e no pós-parto, por isto trago o tema aqui para o debate.
A gravidez pode diminuir a libido nas mulheres?
O hormônio progesterona faz com que a mulher deixe a sexualidade um pouco de lado. Essas e outras alterações no corpo da mulher fazem com que ela se sinta menos desejada e o companheiro, por sua vez, teme prejudicar o bebê, ocorrendo uma alteração nos padrões do relacionamento sexual do casal grávido. Os efeitos da progesterona duram até o final da amamentação. Porém, as relações sexuais na gravidez não ocasionam problema algum à gravidez normal. Elas amenizam as ansiedades do casal. Nesse período, é importante não restringir a sexualidade à penetração e sim buscar novas formas de carícias, posições diferentes, em que não ocorra o medo de amassar a barriga e o casal possa desfrutar do prazer de estarem juntos sem preocupações com a saúde do bebê. Mas a relação sexual poderá sofrer restrições quando houver gravidez de risco. No pós-parto surge uma nova situação com a prolactina, hormônio estimulado com a amamentação, que geralmente causa inibição da sexualidade, ausência de lubrificação vaginal, leve depressão, fadiga e diminuição das sensações em geral. Outros fatores também contribuem para o afastamento sexual do casal no pós-parto: a própria atenção dispensada ao bebê, as rachaduras nas mamas, o incômodo da episiotomia (corte realizado na saída lateral da vagina em mulheres que têm parto vaginal), ou da cesárea. Na prática, a episiotomia pode provocar dor, ardor e incômodo na relação, pois trata-se de uma região úmida, que dificulta a cicatrização. A recuperação do desejo pode variar de mulher para mulher, podendo estar ausente poucas semanas ou durante meses. Este fato dependerá da influência hormonal e das condições emocionais de cada mulher neste período. O importante é que o casal não perca a intimidade e viva intensamente esta fase, sem afastar-se do romantismo e do amor que os uniu e gerou esta nova vida!
Número de Visualizações: 1959

Procura-se Grávidas para Participar do Programa Amor & Sexo da Fernanda Lima na TV Globo

Hoje gostariamos de ajudar uma ex-cliente da Zazou, a modelo e apresentadora Fernanda Lima, e a produção de seu programa Amor & Sexo da TV Globo, que nos pediu ajuda para encontrar grávidas cariocas para participar na nova temporada em um programa inteiro falando sobre gravidez, que tal participar?
Procura-se Grávidas para Participar do Programa Amor & Sexo da Fernanda Lima na TV Globo
A gravação vai ser no dia 11 de agosto, sábado da semana que vem, e você pode levar um acompanhante que tenha mais de 24 anos. A produção do programa ainda para seu maior conforto vai disponibilizar transporte dos convidados entre um ponto de encontro em comum e o Projac no Rio. Além disto as grávidas que forem selecionadas para o programa, para estarem bem elegante e ssexy ainda vão vestidas de Zazou é claro... Mais informações pelo e-mail do produtor do programa: carlos.soton_let@tvglobo.com.br com cópia para: zazou@zazou.com.br, dizendo que foi indicada da Zazou para participar do programa. Por fim para relembrar, vejam só fotos da Fernanda Lima ainda grávida dos gêmeos fazendo compras na Zazou em: http://www.zazou.com.br/home/default.asp?id=album&pg=FernandaLima
Número de Visualizações: 4112

Sexo e Gravidez Combinam?

Quando descobrem que terão um bebê, mais da metade dos casais que procuram o médico quer saber se sexo e gravidez combinam. A orientação geral é que, caso não existam problemas diagnosticados, como sangramentos e risco de parto prematuro, os momentos de intimidade só fazem bem. Não há limites estabelecidos ou práticas não aceitas. Aconselha-se, apenas,que ambos mantenham a mesma sintonia em relação aos seus desejos e que respeitem o corpo e a mente um do outro, sempre prevalecendo o bom-senso. A mulher está passando por mudanças físicas, emocionais e hormonais e espera-se que o parceiro tente compreendê-las, sendo cúmplice. Segue abaixo duas dicas para responder dúvidas comuns em relação ao tema: 1) Bebê protegido: Durante a gravidez, o bebê fica isolado dentro das membranas da placenta e da bolsa, além de estar entre as paredes do útero, que são formadas por músculo. E o colo do útero, que é a parte mais baixa do órgão e está em contato com a vagina, permanece fechado, como um estreito canal que deve se abrir apenas no momento do parto 2) No fim da gestação: Em condições normais, as mudanças do corpo nesse período preparam o útero para iniciar as contrações. No fim da gestação, o sexo pode até ser benéfico. O sêmen possui prostaglandina, substância que, quando a mãe e o bebê estão prontos para o parto, favorece o começo das contrações e o relaxamento do colo uterino 3) Melhores posições: No início da gravidez, não existem restrições. Mas, conforme a gestação vai evoluindo, o crescimento do útero e o aumento do peso pedem posições mais confortáveis e seguras. São aquelas que não forçam a barriga nem a coluna da mulher, como: a grávida fica por cima, controlando a profundidade da penetração, ou ele se coloca por cima, na clássica papai e mamãe, mas não deixa cair o peso sobre você. Ou ainda você se deita de lado, na posição conchinha, e ele fica atrás, de lado também...
Número de Visualizações: 1265

Existe vida sexual pós-gravidez?

O bebê chora, o bebê quer mamar, o bebê precisa de alguém para trocar a fralda. Ser mãe não é fácil... Mas não significa que o resto da vida está perdido, nem mesmo a vida sexual! Em uma pesquisa realizada pela revista especializada “mama”, que é publicação especializada da Suécia, mostrou de que 38% das mães do país afirmaram manter relações sexuais uma ou duas vezes por semana. Os dados repercutiram na imprensa dos Estados Unidos, fazendo muitas mães se perguntarem como as suecas estão conseguindo? E aqui no Brasil?
A pesquisa da “mama” mostrou ainda que 36% das mulheres voltaram a ter relações sexuais um ou dois meses após o parto, enquanto 26% delas retomaram a vida sexual três ou quatro meses depois. Essas variações dependem de como é relação do casal e o cotidiano de cada um. Mas de maneira geral, de acordo com o ginecologista e sexólogo Amaury Mendes Júnior, professor e médico do Ambulatório de Sexologia da UFRJ, é realmente difícil retomar a frequência sexual antes de seis meses de pós-parto. Há várias razões para a diminuição da libido, de ter ou não ajuda para cuidar do filho a um marido mais ou menos atencioso. Além disso, a prolactina (hormônio liberado pela mulher para estimular a produção de leite) inibe o desejo sexual e, por mais que ela ame e queira o marido, o tesão tende a diminuir.
“Dificilmente você verá uma mulher nessa fase da vida cheia de vontade de transar”, afirma a obstetra e terapeuta sexual Junia Dias de Lima, também membro da Febrasgo (Federação Brasileira de Associações de Ginecologia e Obstetrícia). Mas não quer dizer que não possa acontecer.
Por causa do resguardo pós-parto, um casal usualmente pode voltar a fazer sexo por volta de 30 a 40 dias após a chegada do bebê. E, depois disso, o foco já não é mais o casal, mas o bebê. Por isso, de acordo com a ginecologista e sexóloga Elsa Gay, da Sogesp (Associação de Obstetrícia e Ginecologia de São Paulo), é natural que a mulher dê mais ênfase ao novo papel, o maternal, enquanto o erótico fica um pouco apagado. O casal, portanto, deve conversar sobre estes fatores sempre que se sentir fora de sintonia.
A realidade sueca é bem diferente da brasileira e o debate sobre a igualdade entre os sexos é bem adiantado por lá. A vida sexual dos brasileiros também pode sair perdendo com o machismo nessas horas. Na Suécia, a emancipação feminina já ocorre há mais tempo e as mulheres, segundo Amaury, são mais independentes em relação aos próprios desejos. Aqui, por outro lado, a chegada do bebê ainda mexe com muitos valores sociais, a mulher pode questionar a garantia desse bebê, por exemplo, o que pode também dificultar o retorno da vida sexual. A obstetra e sexóloga clínica Franciele Minotto levanta outro ponto capaz de dificultar a vida sexual pós-filhos: a falta de privacidade do casal, que está com o bebê 24 horas por dia.
Na Suécia, isso não é um problema: três a cada 10 mães, segundo a pesquisa realizada pela “mama”, disseram ter relações sexuais mesmo com o bebê ali, na mesma cama. Segundo Amaury, isso também acontece com frequência nas casas brasileiras. “Mas é uma atitude absolutamente irresponsável e inadequada”, diz o médico. A atitude não é boa nem para o bebê, nem para os pais. “Se os filhos continuam a dormir sempre no quarto do casal, as situações sexuais começam a se tornar cada vez mais rápidas, silenciosas e monótonas, o que leva a insatisfação e perda da intimidade”, acrescenta Franciele
Número de Visualizações: 6730

Video = Sexo Depois da Gravidez

Depois que o Pedro nasceu, sexo passou a ser mais uma questão de qualidade do que de quantidade", afirma Juliana Paes.
Número de Visualizações: 3271

Video = Sexo na Gravidez

Vejam no vídeo abaixo algumas dicas de especialistas sobre o sexo na gravidez, que para muitos ainda tem preconceito e tabú, cuja melhor solução é se informar.
Número de Visualizações: 13860

Video = Sexo durante a Gravidez

Queria trazer neste vídeo um tema polemico e cheio de tabus, que é o sexo durante a gravidez. Vejam um médico que foi entrevista do no programa "Saúde e Sexualidade no Rádio", em que ele orienta uma grávida de 32 anos, que quer saber se a mulher pode ter relações sexuais normais durante a gravidez? E questiona, ainda, se o sexo na gravidez pode gerar uma criança afeminada?
Número de Visualizações: 2510

Gravidez de mulheres com deficiência física pode ocorrer normalmente

Queria abordar aqui um tema que nem sempre a sociedade aborda de forma aberta e transparente, mas que por isto mesmo achamos importante trazer para o foco deste Blog. O Censo de 2000 do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) revelou que existem aproximadamente 25 milhões de brasileiros com deficiência, dos quais 46% são mulheres. E quando se fala em mulheres que têm deficiência, um dos grandes questionamentos fica em torno da sexualidade e da possibilidade de engravidar. Segundo a ginecologista Maria Letícia Fagundes, a mulher portadora de alguma deficiência física pode engravidar normalmente dependendo de sua limitação física.
“O órgão da gestação é o útero e se este estiver em boas condições a gravidez segue para o feto sem muitas limitações”, explica.
Entretanto, Maria Letícia explica que para a mãe isso pode representar algumas dificuldades, em especial relativas a patologias osteoarticulares, como artrite, osteoporose, reumatóide do quadril, da coluna e dos membros inferiores.
“Imaginem que o centro de gravidade muda naturalmente numa mulher saudável para que ela atinja o equilíbrio ao caminhar. Nessas patologias esse equilíbrio será acompanhado por adaptação dolorosa da parte osteomuscular. Isto limita a atividade física, e, por conseguinte pode influenciar toda a harmonia da gravidez”, alerta a médica.
Porém, com os cuidado especiais, qualquer mulher com o útero em boas condições pode engravidar, sendo deficiente física ou não. Segundo a ginecologista, um Pré-Natal bem conduzido é o principal para que a gestação corra tranquilamente e sem riscos para a mãe e o bebê.
Número de Visualizações: 1703

Video = Sem Tabus = Sexualidade Durante a Gravidez

Em relação a gravidez ainda existem uma série de preconceitos e tabus, entre eles não apenas em relação a moda gestante, mas também inclusive a sexualidade durante a gravidez. Por isto mesmo trago um vídeo abaixo separado em duas partes, com uma entrevista da ginecologista Dr. Sandra Gianini para o programa Sem Tabus, que explica exatamente tudo o que você precisa saber e aprender para aproveitar ao máximo esta fase especial de sua vida, inclusive em relação ao sexo e os aspectos psicológicos. Parte 1 de 2: Parte 2 de 2:
Número de Visualizações: 1749