Category Archives: Maternidade

Maternidades Fechando!

Um movimento que temos visto, e tem nos deixado preocupado com uma tendência, em que vários hospitais, muitos deles tradicionais, estão simplesmente fechando unidades consideradas não rentáveis como maternidades, pediatrias e outras áreas de baixa complexidade médica. Por isto resolvemos levantar este tema aqui em nosso blog, e até para ouvir sua opinião!

Por exemplo o Hospital Santa Catarina vai encerrar as atividades de sua maternidade, fundada há mais de três décadas, no fim de outubro. Ou ainda a Santa Casa de Belo Horizonte informou que também pode fechar, em setembro, sua maternidade, que gera prejuízo de cerca de R$ 800 mil por mês.

Infelizmente os dois casos recentes não são isolados. Nos últimos anos, outros grandes grupos hospitalares de várias regiões do país seguiram o mesmo caminho. Entre eles, estão o São Camilo, Nossa Senhora de Lourdes e Santa Marina, localizados em São Paulo, o carioca Barra D’Or e o Vita de Curitiba. Todos eles voltaram as atenções para áreas com maior retorno financeiro como oncologia, neurologia, cardiologia e ortopedia.

“A maternidade tem um custo elevado e os pacientes dessa área usam pouco a estrutura de um hospital geral, que tem despesas altas com manutenção de equipamentos sofisticados e estrutura. Com a profissionalização na gestão do setor, isso ficou mais evidente”, explicou Francisco Balestrin, presidente da Associação Nacional dos Hospitais Privados (Anahp) e que também é dos sócios do Grupo Vita.

“Fechamos a maternidade em Curitiba há seis anos. Na unidade de Volta Redonda (RJ) continuamos porque temos um acordo com a CSN, que vendeu o hospital, de manter a maternidade”, disse Balestrin.

O presidente da Anahp destaca ainda que o custo de um parto em um hospital geral é superior ao de uma maternidade especializada. Sua justificativa é reforçada pelo diretor geral das maternidades Santa Joana e Pró-Matre, Marco Antônio Zaccarelli.

“Acredito que para ter um ponto de equilíbrio financeiro é preciso realizar cerca de 400 partos por mês”, afirmou Zacarelli. A Pró-Matre e a Santa Joana realizam um total de 2,5 mil partos mensalmente. Para efeitos de comparação, no Santa Catarina são feitos 240 partos por mês e na maternidade da Santa Casa de BH, 330.

Mas não é apenas a escala que faz uma maternidade fechar as contas no azul. Segundo Zaccarelli, ao mesmo tempo em que a taxa de natalidade vem caindo nos últimos anos, as mulheres estão engravidando mais tarde e com isso aumentando o número de partos de alta complexidade.

“Como somos focados em obstetrícia e ginecologia, temos toda uma estrutura para atender essas pacientes. Há dois anos, tínhamos 20 leitos de semi-UTI para atender casos complexos. Hoje, são 40″, disse o diretor-geral do Grupo Santa Joana.

A decisão de encerrar as atividades de uma maternidade ou pediatria também ocorre porque nem todos os hospitais ainda têm fôlego para mais uma rodada de investimentos vultosos como a que ocorreu nos últimos anos.

A maternidade não é a única a perder espaço. A área da pediatria também encolhe, seja nos hospitais ou por falta de médicos, que preferem seguir outras especialidades devido à baixa remuneração.

“Hoje não há mais tantos casos de patologias infantis. As crianças não ficam doentes como antes e quando há um problema são casos graves, como oncológico ou cirúrgico, em que o paciente usa o mesmo leito ou centro cirúrgico”, disse Balestrin.

Aonde vamos ter nossos filhos? Aonde vamos depois trata-los se preciso?

Algo a se pensar e rever!

Número de Visualizações: 874

Jaque Khury Sai da Maternidade com Vestido Jeans Claro da Zazou

Antes de mais nada gostaríamos de parabenizar a Jaque Khury, pelo nascimento do seu primeiro filho Gael, com o seu marido Rafael Mello. O pequeno Gael nasceu perfeitinho de parto cesária com quase 39 semanas e com 49cm e 3,3 kg. Momento especial que as grávidas tanto esperam nestes 9 meses de gravidez. Uma das grandes emoções da vida....
Jaque Khury Sai da Maternidade com Vestido Jeans Claro da Zazou

Ficamos feliz por que ela se vestiu de Zazou a gravidez toda, e também estava vestindo a saída da maternidade. Vejam na foto acima ela segurando o pequeno Gael com este vestido jeans claro da Zazou, que aliás ela adorou...

Aliás vejam mais fotos deste vestido no dia que ela escolheu pessoalmente na loja em Moema, e de outros looks dela ainda grávida em:

http://www.zazou.com.br/home/default.asp?id=album&pg=JaqueKhury
Número de Visualizações: 3707

Video = Escolhendo a Maternidade = Santa Joana

Já escolheu a maternidade aonde terá o seu bebê?

Pois vamos ajuda-la mostrando uma das boas opções em Sâo Paulo, que é a Maternidade Santa Joana, que podem conhecer melhor no vídeo abaixo, que vai ajudar a saber quais os pontos importantes que deve ter atenção nesta escolha, e os diferenciais de cada uma.
Número de Visualizações: 957

Video = Escolhendo a Maternidade = Pro Matre Paulista

Já escolheu a maternidade aonde terá o seu bebê?

Pois vamos ajuda-la mostrando uma das boas opções em Sâo Paulo, que é a Pro Matre Paulista, que podem conhecer melhor no vídeo abaixo, que vai ajudar a saber quais os pontos importantes que deve ter atenção nesta escolha, e os diferenciais de cada uma.
Número de Visualizações: 4627

Vídeo = O que levar para a maternidade?

Já sabe o que levar na mala para a maternidade?

Veja no video abaixo algumas boas dicas de como preparar o enxoval da mamãe e do bebê, e o que colocar na mala da maternidade.
Número de Visualizações: 935

Natália Guimarães Sai da Maternidade São Luiz com as Gêmeas Kiara e Maya Vestida de Zazou Moda Gestante

Natália Guimarães e o cantor do KLB Leandro deixaram a maternidade com as gêmeas Kiara e Maya nesta segunda-feira, apenas três dias após o nascimento das recém-nascidas no hospital São Luis de São Paulo. Detalhe importante: ela estava usando um vestido vermelho da atual coleção de inverno 2013 da Zazou para sair elegante nas fotos, como podem ver abaixo.
Natália Guimarães Sai da Maternidade São Luiz com as Gêmeas Kiara e Maya Vestida de Zazou Moda Gestante


Orgulhosos, os novos pais beijaram Miara e Maya e posaram sorridentes para fotos. Leandro e Natália contaram com a ajuda de duas enfermeiras para deixar a maternidade. Maya nasceu com 46 cm e 2,715 quilos. Já Kiara veio ao mundo um minuto depois, com 45,5 cm e 2,580 quilos.

Com a alta hospitalar, Natália se prepara para receber visitas em sua casa, em São Paulo, de amigos mais próximos e familiares. A ex-miss escolheu lembrancinhas na cor rosa para quem visita as gêmeas. Entre os itens distribuídos estão os brigadeiros de colher dentro de pequenas mamadeiras e garrafinhas de água personalizadas com o nome das meninas feitas pela empresária Mari Azevedo, do Atelier M. Azevedo.
Natália Guimarães Sai da Maternidade São Luiz com as Gêmeas Kiara e Maya Vestida de Zazou Moda Gestante


Leandro acompanhou o parto desde o começo e foi o único que entrou na sala de cirurgia. O cantor fez questão de dar banho nas garotinhas e, por meio de seu Instagram, declarou que é um "papai babão" e registrou o momento com uma foto.

A Zazou gostaria de dar aos parabéns ao novo casal de pais, e desejar muita saúde e o mesmo sucesso também para as gêmeas.

Por fim se gostou do estilo e deste look, vejam mais fotos da Natália ainda grávida com outros looks da atual coleção, que ela mesmo escolheu na loja de moda gestante da Zazou em Moema em SP, no link abaixo:

http://www.zazou.com.br/home/default.asp?id=album&pg=NataliaGuimaraes
Número de Visualizações: 1313

Maternidade Carioca Especializada em Gravidez de Risco

A escolha da maternidadeaonde será o seu parto, é algo bem importante, e logicamente deve ser feito em conjunto com seu médico, mas sempre bom estar informada do que cada uma oferece antes da decisão final, e por isto mesmo queria trazer esta notícia em especial para as grávidas cariocas, de que a Perinatal Barra será a primeira maternidade do Grupo Perinatal e do Rio de Janeiro a abrigar uma unidade voltada principalmente para prestação de assistência e acompanhamento linear a mulheres com gravidez de risco e outras intercorrências obstétricas que não necessitam de atendimento em UTI.

Com o intuito de aumentar a segurança das gestantes e possibilitar aos médicos um monitoramento de qualidade das suas pacientes, a Unidade Semi-Intensiva de Tratamento Obstétrico foi inaugurada recentemente na Perinatal da Barra.
Perinatal Barra - Maternidade Carioca Especializada em Gravidez de Risco


Cerca de 10% das mulheres têm uma gravidez de risco, o que torna eminente a necessidade de um local que possibilite acompanhamento clínico dessas gestantes. A Semi-intensiva aumenta a segurança da gestação e a qualidade de vida do recém-nascido.
“Se considerarmos uma grávida que está em torno de 25 semanas de gestação, cada dia que o feto permanece dentro do útero representa uma redução de, em média, quatro dias do bebê na UTI Neonatal”, explica Dr. Renato Sá, Coordenador do Serviço de Obstetrícia da Perinatal Barra.


Formada por uma equipe multidisciplinar, a Semi-Intensiva terá foco no tratamento das patologias mais frequentes na gestação, como a Doença Hipertensiva Específica da Gestação (DHEG), o trabalho de parto prematuro, a diabetes gestacional e a ruptura prematura de membranas. O ambiente, que conta com leitos equipados com tecnologia de ponta, dará maior segurança para a gestante que poderá ficar durante o período que seu médico recomendar ou enquanto necessitar de monitoramento. Mantendo o conceito de oferecer todo conforto e um ambiente familiar, a grávida terá direito a acompanhante durante o tempo que ficar na Semi-Intensiva.

Para os obstetras, além de ter acesso a um histórico completo, com as especificidades de cada caso, a Unidade de Terapia Semi-Intensiva da Perinatal será a garantia de as pacientes estarão cercadas por profissionais que, em caso de emergência, poderão agir a tempo e de forma adequada. Hoje, as mulheres com gravidez de risco, ficam internadas ou de repouso em suas casas. Contudo, em ambos os casos, elas não têm um acompanhamento sistemático e linear do seu quadro e ficam ainda mais expostas às consequências adversas.

Os critérios para a internação da Semi-Intensiva serão todas as comorbidades fetais, maternas e as próprias da gestação. Dentre elas estão incompatibilidades Rh, complicações da gestação gemelar, rotura prematura de membranas, malformações congênitas fetais, diabetes gestacional, calculose renal na gestação, controle de distúrbios endócrino-metabólicos, síndromes trombofílicas, hipertensão gestacional e pré-eclampsia.

Segundo Dr. Renato Sá, a iniciativa aumenta a segurança das gestantes.
“Nos preocupamos com ações preventivas que reduzam os riscos desses casos que necessitam de cuidados especiais. Tanto que a implementação da Unidade Semi-Intensiva também na Perinatal de Laranjeiras já está em fase de estudos e deverá ainda em 2013”, explica o especialista.


E você já escolheu a maternidade? Qual? Mande seus comentários...
Número de Visualizações: 1167

Video = Dicas para Quem Vai Visitar um Bebê na Maternidade

Se você vai fazer uma visita a maternidade, dê uma olhadinha nas dicas deste vídeo.
Número de Visualizações: 1064

Video = Semi-intensiva da Maternidade

Vejam no vídeo abaixo os médicos obstetras e ginecologistas da Maternidade São Luiz, Eduardo de Souza e Soubhi Kahhale, falando sobre como é feito o acompanhamento das mães que precisam de cuidados especiais na Semi-intensiva da Maternidade durante a gravidez.
Número de Visualizações: 1333

10 dicas para escolher a melhor maternidade

Já escolheu aonde será o seu parto? Quais maternidade esta pensando? E o critério de escolha? Centros cirúrgicos de alto nível tecnológico, gravação do parto em DVD, "hotelaria" de primeira linha... São tantos os atrativos oferecidos pelas maternidades que a futura mamãe pode ficar perdida na hora de escolher qual é o lugar ideal para ela ter o filho. Mas ateção pois nessa hora o mais importante é ficar atento às questões médicas e de infraestrutura do ambiente.
10 dicas para escolher a melhor maternidade
Confira abaixo 10 dicas de especialistas para escolher a melhor maternidade para você: 1) Ouvir a opinião do obstetra O principal é conversar com o obstetra que acompanhou a mulher durante o pré-natal. Além de saber quais são as necessidades da mulher, ele conhece as condições dos melhores centros cirúrgicos da sua cidade ou região. Perguntar a familiares e amigos também é válido, mas a opinião do profissional deve pesar mais. Uma experiência ruim não significa que a maternidade não é boa. 2) Avaliar se a maternidade tem plantonista obstétrico Se a grávida tiver alguma complicação, o ideal é que exista um obstetra no hospital pronto para atendê-la. Até o seu obstetra ir até lá, pode demorar. 3) Conferir se há UTI adulto no local Na maioria dos casos de gravidez normal, o parto ocorre sem problemas e até três dias depois a mãe já está liberada para ir para casa. Algumas complicações, no entanto, podem levar à necessidade de tratamento em uma unidade de terapia intensiva (UTI). Essa questão é importante principalmente para quem tem gravidez de risco. Mulheres com doenças prévias, como pressão alta, diabetes, lúpus ou infecções, devem estar atentas à UTI na maternidade. 4) Não se esqueça da UTI neonatal Assim como a de adultos, a UTI neonatal é importante principalmente para quem tem gestação de alto risco, mas é recomendado que exista esse serviço sempre à disposição para uma eventualidade. Crianças nascidas de parto prematuro, por exemplo, costumam ter de ser internadas. A UTI tem os equipamentos e o serviço médico especializado para atender ao recém-nascido. 5) Saber se há banco de sangue e exames complementares Um banco de sangue no próprio hospital facilita no caso de a mulher ter uma hemorragia no parto. A estrutura para realizar exames laboratoriais complementares também é bem-vinda. 6) Visitar a maternidade antes do parto Ir à maternidade durante a gravidez é essencial. A grávida pode conferir com os próprios olhos a estrutura do lugar. Ela deve ficar atenta à limpeza, uma vez que os cuidados com higiene diminuem os riscos de infecção hospitalar. Além disso, a visita facilita até mesmo a entrada da paciente no momento do trabalho de parto. Algumas maternidades permitem fazer o pré-cadastro. 7) Verificar a qualidade da equipe Uma boa maternidade conta não apenas com um bom obstetra, mas com toda uma equipe multidisciplinar composta por outros profissionais da saúde. O atendimento da enfermagem é necessário tanto no parto, quanto no pós-parto. A qualidade do atendimento dos profissionais da maternidade é essencial. 8 ) Constatar a segurança da maternidade Ainda na visita, a mulher pode prestar atenção na segurança conferida pela maternidade. Além de ter o controle das pessoas que entram e saem do edifício, o diretor técnico deve ter a responsabilidade de avaliar se as pessoas que trabalham na unidade são de confiança. 9) Listar as maternidades do convênio O parto e os custos de uma maternidade privada podem pesar demais na conta já alta da grávida. Para evitar surpresas, a mulher deve verificar se a maternidade pretendida consta na cobertura do seguro de saúde, incluindo alguns serviços adicionais, como a anestesia. Quem fez o acompanhamento pré-natal pelo SUS deve procurar saber para onde será encaminhada e visitar o local antes. 10) Conferir algumas opções adicionais Alguns confortos extras podem ser levados em conta, como o tamanho e a qualidade das instalações no quarto, mas a mulher deve se lembrar de priorizar outros fatores e serviços mais importantes. Um deles é a permissão da presença de um acompanhante na hora do parto, recomendada pela Organização Mundial da Saúde. Está mais do que comprovado que o acompanhante da família ajuda o trabalho de parto.
Número de Visualizações: 1300

Video = O que levar para a maternidade?

O que levar para a maternidade? Assista a animação e descubra o que não pode faltar na mala da mamãe e do bebê.
Pode ainda baixar uma lista completa e detalhada que a Zazou preparou para as grávidas precavidas em: www.zazou.com.br/home/Lista_Maternidade_Zazou.pdf
Número de Visualizações: 2906

Video = O que levar para a maternidade

Já arrumou sua mala da maternidade? Sabe o que tem que levar? Veja no vídeo abaixo as dicas práticas de uma grávida mostrando o que levar na mala da maternidade:
Segue abaixo um link abaixo com uma lista do que levar que a Zazou preparou para ajudar você em: www.zazou.com.br/home/Lista_Maternidade_Zazou.pdf
Número de Visualizações: 2531

Luana Piovani & Ajuda com o que levar na Mala da Maternidade?

Você esta precisando como a Luana Piovani de ajuda para saber o que levar na mala da maternidade?
Luana Piovani & Auuda com o que levar na Mala da Maternidade
Basta acessar o link abaixo que a Zazou vai lhe ajudar contando tudo o que precisa levar na mala da maternidade em detalhes em: www.zazou.com.br/home/Lista_Maternidade_Zazou.pdf
Número de Visualizações: 2870

Dificuldades para lidar com a carreira e a maternidade afetam a fertilidade

Por que as mulheres ainda se sentem forçados a escolher entre filhos e carreira, ainda hoje, em 2012? Será que as dificuldades para conciliar a carreira e a maternidade podem afetar decisivamente a fertilidade feminina, no futuro?
Dificuldades para lidar com a carreira e a maternidade afetam a fertilidade
As respostas para este questionamento foram reunidas por pesquisadores da Universidade do Estado da Pensilvânia e divulgadas num artigo publicado recentemente no Family Relations Journal. Quando falamos em maternidade e carreira, primeiro, é preciso lembrar que homens bem-sucedidos não têm de lidar com nenhum tipo de opção muito difícil no âmbito pessoal. Geralmente, homens no mundo todo, que exercem qualquer profissão, inclusive os cargos diretivos, expressam livremente o desejo de ter filhos e os têm. Na verdade, “quanto mais realizado o homem”, maior é a probabilidade de que ele se case e tenha filhos. Com as mulheres ocorre o inverso… Elas enfrentam os mesmos desafios que os homens em longos expedientes e sofrem as mesmas pressões de quem ocupa cargos importantes. Contudo, há desafios que são próprios de cada sexo.
“A história da mulher no mercado de trabalho está sendo escrita com base em dois quesitos: a queda da taxa de fecundidade e o aumento do nível de instrução da população feminina. Estes fatores vêm acompanhando, passo a passo, a crescente inserção da mulher no mercado de trabalho e a elevação de sua renda”, explica o ginecologista Jonathas Borges Soares, diretor do Projeto ALFA, Aliança de Laboratórios de Fertilização Assistida.
E quando falamos em mercado de trabalho e igualdade de oportunidades entre homens e mulheres, precisamos mencionar que as empregadas enfrentam uma mesma dificuldade global: o preconceito contra a maternidade. O ambiente de trabalho ainda não contempla as necessidades da mulher. São necessárias muitas mudanças para que a maternidade e o sucesso profissional possam caminhar lado a lado: jornadas flexíveis, possibilidade de trabalhar à distância, oferta disseminada de benefícios, como creches.
“O abismo salarial que ainda persiste entre homens e mulheres é fruto principalmente das penalidades impostas à mulher no momento em que ela interrompe a carreira para ter filhos. De acordo com estudos recentes, uma fração cada vez maior do abismo salarial se deve à maternidade e à educação dos filhos, que acabam por interferir na carreira das mulheres – e não na dos homens –, afetando permanentemente seu salário potencial”, destaca o médico.
A ideia de que as mulheres deveriam imitar, com o mesmo grau de sucesso, o modelo competitivo masculino é um complicador da vida moderna porque os maridos ainda não assumiram uma fatia significativa das responsabilidades tradicionalmente atribuídas a elas no plano doméstico.
“Mesmo mulheres casadas, com salários superiores aos dos maridos, se vêem obrigadas a lidar com a maior parte das responsabilidades domésticas. Poucos são os maridos que se ocupam do próprio trabalho e assumem a responsabilidade pela preparação das refeições, os cuidados com a roupa suja e/ou a limpeza da casa. No tocante aos filhos, o desempenho deles também não é melhor”, observa Jonathas Soares.
De acordo com dados de uma pesquisa do Center for Work-Life Policy, que reuniu dados de americanas e britânicas, quase metade, 43% das mulheres da Geração X com nível universitário – aquelas que atualmente estão entre as idades de 33 a 46 anos – não têm filhos. Três quartos dessas mulheres sem filhos estão em relações estáveis, ou seja, o fato delas ainda não serem mães, provavelmente não é por falta de um parceiro. Será culpa da carreira? As mulheres pagam um preço maior pela ascensão profissional porque os primeiros anos “de batalha” se sobrepõem, quase que exatamente, aos anos mais apropriados para a maternidade. É difícil diminuir o ritmo nos estágios iniciais, acreditando que mais tarde será possível compensar o atraso.
“As mulheres jovens aprendem que as pessoas bem-sucedidas devem se dedicar à carreira na faixa dos 20 anos e canalizar toda a sua energia para o trabalho, durante pelo menos dez anos, se quiserem ter sucesso. Acontece que, seguindo esta recomendação, é bem provável que as mulheres se vejam com 35 anos ou mais e ainda sem tempo para pensar na possibilidade de ter filhos. É exatamente nesta etapa da vida que a infertilidade pode se tornar um problema, conforme provam inúmeros casos. E mesmo com o emprego das técnicas de reprodução humana assistida, é bom saber que as chances de gravidez até 35 anos de idade são de 40% a 50%. Acima de 40 anos, a taxa de sucesso é de 10% , diz o diretor do Projeto ALFA.
A maior pressão sentida hoje pela mulher não é a de provar sua competência, mas sim o próprio desejo de conciliar o trabalho com a família. O difícil balanço entre a vida profissional e a pessoal está na raiz de grande parte da insatisfação manifestada pelas mulheres no mercado de trabalho.
“O fato de que tantas profissionais sejam forçadas a descartar a maternidade é uma injustiça flagrante, além de afetar significativamente os negócios em todo o mundo. Se grande parte das mulheres que insiste em seguir carreira fica impedida de constituir família, outra parte igualmente grande e que opta pela família é obrigada a encerrar a carreira”, informa Jonathas Soares.
Diversas pesquisas no campo dos recursos humanos já apontaram que as mulheres se sentem mais felizes quando têm uma carreira e uma família ao mesmo tempo.
“Precisamos fazer esta notícia ecoar, transpondo as barreiras corporativas, culturais e sociais”, defende o ginecologista.
Mais informações sobre o assunto em: www.projetoalfa.com.br
Número de Visualizações: 2572

Video = Troca de Bebês na Maternidade

Um dos pesadelo de qualquer futura mãe que é a troca do bebê na maternidade. Veja então no vídeo abaixo, este caso em que recentemente uma mulher deu à luz a gêmeos na Maternidade São Lucas de Santos. Mas o estranho é que , apesar dos exames de ultrasom feitos durante a gravidez mostravam que os bebês seriam dois meninos, mas sete horas depois do parto, na hora de trocar as fraldas uma enfermeira percebeu que um dos bebês era menina, levantando a suspeita de troca de recém-nascidos.
Número de Visualizações: 2386

Lei em SP proíbe maternidades de cobrar para que pais vejam parto

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), promulgou a lei 14.396 que proibe maternidades particulares de cobrar taxa ou qualquer outro valor para permitir que o pai ou acompanhante assistam ao parto dentro do centro obstétrico.
Lei em SP proíbe maternidades de cobrar para que pais vejam parto
O projeto de lei foi proposto em 2010 pelo deputado estadual Conte Lopes (PTB). De acordo com a lei os ficam proibidos os valores cobrados a título de higienização, esterilização e demais procedimentos necessários para que a pessoa possa adentrar o centro obstétrico, independentemente da nomenclatura dada à cobrança, excluídos os valores cobrados a título de outros serviços ofertados pela maternidade. A Secretaria de Estado da Saúde confirmou que a lei já entrou em vigor. A Fundação Procon orienta os pais que se sentirem prejudicados a procurar atendimento nos órgãos de defesa do consumidor. Segundo o Procon, não há registro expressivo desse tipo de reclamação em São Paulo.
Número de Visualizações: 1529

Video = Escolha da Maternidade = Conheça a Maternidade Santa Joana

Uma dúvida muito comum entre as grávidas é a escolha em que maternidade vai ter seu bebê? Por isto trago abaixo um vídeo que mostra um pouco mais do Hospital e Maternidade Santa Joana para que você possa conhece-la e saber o que precisa se preocupar na escolha do local certo. Conheça os serviços da Santa Joana e faça um passeio pelas instalações e veja porque são reconhecidos como uma das melhores maternidades de todo o país, pois encontra uma maternidade humanizada, com uma excelente retaguarda hospitalar, que oferece uma UTI adulto especializada, UTI neonatal referência em todo o país, e também uma equipe multidisciplinar altamente qualificada para receber você e seu bebê com muito carinho. E você pretende fazer o seu parto aonde?
Número de Visualizações: 1819

Serviços Opcionais e Novidades Oferecidos pelas Melhores Maternidades

São cerca de nove meses de espera e, de repente, chega a hora de o bebê nascer. Papai e mamãe pegam a mala da maternidade, checam se a carteirinha do convênio médico está em mãos e rumam para o hospital. Mas se a maternidade escolhida for particular, é bom não esquecer também o cartão de crédito ou o talão de cheques, pois por mais que a parturiente tenha um bom convênio de saúde, é grande a chance de ela querer dos alguns serviços extra disponíveis nas grandes maternidades que não são cobertos por nenhuma seguradora. As opções passam tanto pela modalidade médica quanto por uma série de “mimos”, como ser atendida por uma manicure ou cabeleireiro no próprio quarto do hospital, ter o parto filmado por um cinegrafista ou ficar instalada em uma suíte presidencial com sala de visitas. Além desses serviços, nas grandes maternidades de São Paulo há uma série de outras opções que também não são cobertas pelos convênios, e que podem interessar a muitos pais. Caso, por exemplo, da opção por aplicar a vacina BCG no bebê ainda no hospital, evitando um posterior deslocamento a uma clínica, ou por contratar uma empresa de congelamento do sangue do cordão umbilical. Os gastos, na verdade, podem começar antes mesmo do parto: quase todas as maternidades oferecem cursos de preparação para pais e mães, que podem chegar a R$ 300. Logo na chegada ao hospital, pode ser cobrada a taxa de paramentação do acompanhante. Por lei, toda parturiente tem o direito de escolher uma pessoa para estar ao seu lado na sala de parto. Como alguns convênios, às vezes, não incluem este custo no seu rol de atendimentos, as maternidades repassam o custo para a família.
“Tudo depende muito do convênio de cada paciente. Algumas coisas fazem parte do ‘pacotão geral’, outras têm custo porque varia de acordo com o convênio. Tem convênio que não paga fralda (para o pós-parto), então, a paciente tem que trazer”, explica Márcia Maria da Costa, coordenadora médica da maternidade do Hospital São Luiz, em São Paulo.
Conscientes do risco de o papai desmaiar na hora ‘H’, muitos optam por contratar os serviços de um profissional para filmar e fotografar o parto e os primeiros momentos de vida do bebê. No caso do São Luiz, o hospital tem contrato de exclusividade com a PubliVídeo há 17 anos, que cobra de R$ 390 a R$ 765 para filmar o parto; e de R$ 450 a R$ 1.500 por um book fotográfico do bebê. Outras maternidades indicam empresas que oferecem o serviço, mas permitem que a paciente leve alguém de sua confiança. Outra opção que tem valor cobrado à parte é a de ficar num quarto maior, diferenciado do modelo padrão, com sala de visita, por exemplo.
“Temos vários tipos de apartamentos, entre eles as suítes, que são quartos com salas, e temos a suíte máster, que é a presidencial, com 70 m², e além da sala, quarto e banheiro, tem jardim de inverno climatizado”, explica Maria Augusta de Freitas, diretora de Qualidade da Pro Matre Paulista. Para desfrutar deste benefício, a mamãe vai pagar diária de R$ 1.200, mais R$ 450 de honorários do pediatra.
As maternidades também oferecem o serviço de concierge – cujo leque de atuação é bastante extenso e pode incluir a ajuda para contratar lembrancinhas para serem entregues aos visitantes, a sugestão de um hotel nas proximidades, a ligação para um táxi ou mesmo a compra de algo fora do estabelecimento.
Se a mamãe foi surpreendida pelo parto e não está com o visual em dia, os hospitais oferecem serviços de beleza terceirizados: no Santa Catarina, também em São Paulo, é possível fazer a mão e pé, cortar cabelo e fazer escova por preços de R$ 25 a R$ 50. No São Luiz, há ainda serviços de maquiagem, massagem e depilação.
Com relação ao bebê, os gastos adicionais costumam ser de natureza médica. Os pais podem, por exemplo, contratar uma empresa para congelar o sangue do cordão umbilical. Também é possível dar a vacina BCG e a contra a hepatite B, que são obrigatórias, dentro da maternidade. O preço de cada vacina nas maternidades consultadas gira em torno de R$ 95. Quanto ao teste do pezinho, há três opções diferentes. Existe o básico, que detecta quatro grupos de patologia e cujo acesso é garantido por lei, portanto, não tem custo. Há, porém, um teste do pezinho que detecta dez tipos de patologias e um terceiro, capaz de prever mais de 40 doenças. As maternidades garantem que a fonte de renda gerada por esses serviços adicionais não tem impacto importante no caixa do hospital, mas que servem, principalmente, para fidelizar a clientela. Para Márcia, do São Luiz, este é um valor agregado.
“Quanto mais facilidades, melhor é. O ganho é indireto.”
“Óbvio que gera receita, mas não é o mais importante. O mais importante é que capta e fideliza mais clientes”, diz Maria Augusta de Freitas, da Pro Matre Paulista. Já Andréa Goulart, coordenadora administrativa do Hospital Santa Catarina, destaca que o hospital é filantrópico. “Não temos serviços que visam lucro. Eles têm que se pagar”.
O médico obstetra Jorge Kuhn, professor da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), diz que estes serviços adicionais estão longe de ser essenciais, mas que podem ter seus benefícios.
“É um benefício emocional, de conforto, mas não essencial. A suíte é um conforto a mais, (...) é uma forma de deixar as visitas à vontade, é uma forma de se preservar no momento da amamentação”, diz. “É um conforto que vale a pena, mas não é essencial.”
Mais importante, na opinião do profissional, seria optar pelas suítes de parto natural.
“Suíte de parto é importante, ter uma opção de ter uma banheira, não só para ter o trabalho de parto como para ter o nascimento. (...) As pessoas ficam preocupadas com a cor da roupa do bebê e esquecem que tem coisas mais importantes.”
Quanto ao congelamento do cordão umbilical, a médica pediatra Sandra Regina de Souza, coordenadora da área técnica de Saúde da Criança do Estado de São Paulo é crítica:
“as pesquisas estão engatinhando”, lembra. “A menos que a pessoa tenha na família uma doença grave, degenerativa e já tenha algum indício de que a terapia gênica vai poder ajudar.”
Quanto às vacinas, Sandra destaca que tanto a BCG quanto a Hepatite B integram o calendário oficial e, portanto, podem ser aplicadas gratuitamente em qualquer posto de saúde.
“Sempre digo para os pais: ‘tem na rede pública, é de graça, é a mesma vacina. Por comodidade, pode fazer aqui (no hospital)’.”
Já em relação ao teste do pezinho, a pediatra recomenda, caso os pais possam e queiram pagar, o intermediário, que detecta dez doenças.
“Fazer a fase três, que é o que é gratuito, que já são várias doenças, seria suficiente. Tendo a possibilidade, fazer aquele até dez doenças (..), mas é super opcional.” O mais completo, que detecta 42 patologias, seria dispensável, na opinião de Sandra, por serem “doenças de baixíssima prevalência”, ou seja, cuja incidência é muito mais rara.
E vocês pretendem usar algum destes serviços extras na maternidade? Quais? Mande seus comentários.
Número de Visualizações: 1818

Vídeo = Escolha da Maternidade

Queria trazer mno vídeo abaixo mais um programa para mães, pais e interessados em aprender e compartilhar as descobertas de cuidar de um filho. Nesse episódio da série "Mãe de Primeira Viagem" fala e dá dicas úteis sobre a escolha da maternidade, um assunto importante e que a Silvinha Faro, nossa eterna modelo grávida. responde as principais dúvidas abaixo. E você já escolheu em qual maternidade vai ter seu bebê? Conte para nós aonde e por que nos comentários deste post...
Número de Visualizações: 1357

Video = O que levar na mala da maternidade?

A hora do parto está chegando e você ainda não montou sua malinha da maternidade? Veja então as dicas da blogueira do Mammie Bella e jornalista Dani Passos, em que ela mostra o que vai em sua bolsa para uso próprio, já que a malinha do João está pronta faz tempo! A Zazou queria lhe ajudar um pouco mais, por isto preparamos uma Lista do que deveria estar na sua Mala de Maternidade, tanto para você como seu bebê, baseado na experiência prática e dicas de nossas clientes, e que você pode baixa no link abaixo www.zazou.com.br/home/Lista_Maternidade_Zazou.pdf Espero que seja útil.
Número de Visualizações: 1964

SP aprova lei que obriga maternidade a colocar pulseira eletrônica em bebê

A Câmara Municipal de São Paulo aprovou nesta quarta-feira o projeto de lei 202/2010, do vereador Carlos Apolinário, que obriga hospitais e maternidades públicas e privadas a colocar pulseiras eletrônicas em recém-nascidos. Combinadas com sensores e alarmes nas entradas e saídas das maternidades, as pulseiras podem evitar o furto ou sequestro de crianças. Para virar lei, a proposta tem de ser sancionada pelo prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, que pode vetá-la total ou parcialmente.
"Espero que o prefeito sancione porque estamos tratando de vidas humanas. Hoje temos sensores até em loja", diz o vereador Apolinário. "Essa pulseira impede o roubo e o furto de crianças."
Segundo o vereador, a pulseira deve ser instalada no recém-nascido assim que terminado o parto e removida quando a mãe e a criança tiverem alta. E você o que acha desta idéia? O que acha de seu bebe ter já que usar ao nascer este tipo de coisa? Deveria ser obrigatório ou de escolha dos pais? Mandem seus comentários.
Número de Visualizações: 1454

Ranking das 10 melhores Maternidades do SUS em SP em 2009

Você vai fazer seu parto pelo SUS? Já escolheu a maternidade? Para ajuda-la nesta escolha, fica a dica de uma avaliação feita pela Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo por meio de questionários com os pacientes de centenas de hospitais do estado elegeu, pelo segundo ano consecutivo, os melhores hospitais da rede do Sistema Único de Saúde (SUS) em São Paulo. Aliás comparados com dados divulgados no ano passado, é possível verificar um avanço dos hospitais do interior do estado, que ganharam mais espaço entre os dez primeiros. Entre as maternidades, a campeã foi a do Hospital Santa Marcelina, na Zona Leste da capital paulista. Entre as dez primeiras, apenas ela e a do Hospital Estadual de Vila Alpina ficam na cidade. Em 2008, seis maternidades da capital paulista estavam nas dez primeiras colocações. Os hospitais Santa Marcelina e Vila Alpina foram os únicos da cidade que se mantiveram no topo do ranking em 2009. Confira abaixo a lista das 10 melhores maternidades do SUS em SP em 2009: 1) Hospital Santa Marcelina - São Paulo - Nota: 9,126 2) Hospital Geral de Itapecerica da Serra - Itapecerica da Serra - Nota: 9,025 3) Hospital Estadual de Vila Alpina - São Paulo - Nota: 9,016 4) Caism (Centro Integral de Atendimento à Saúde) do Hospital das Clínicas - Campinas - Nota: 9,012 5) Hospital Regional de Cotia - Cotia - Nota: 8,982 6) Hospital São Francisco de Assis - Jacareí - Nota: 8,977 7) Hospital Geral de Itaquaquecetuba - Itaquaquecetuba - Nota: 8,936 8) Hospital das Clínicas - Ribeirão Preto - Nota: 8,934 9) Hospital Geral de Guarulhos - Guarulhos - Nota: 8,933 10) Hospital Estadual de Sumaré - Ibitinga - Nota: 8,930 A pesquisa classifica os estabelecimentos com base no grau de satisfação dos pacientes de hospitais conveniados à rede pública. Eles opinam sobre o atendimento, qualidade do local e tempo de espera. Foram ouvidos 158 mil pacientes, que receberam um formulário por correio, e puderam responder gratuitamente pela internet, carta ou telefone. Os vencedores foram os estabelecimentos com maior pontuação média entre os que tiveram 100 ou mais respostas encaminhadas. No caso das maternidades, as que tiveram 30 ou mais respostas. As unidades que receberam as notas mais baixas vão receber uma equipe da secretaria. Os técnicos vão verificar o motivo das reclamações dos pacientes. Veja a matéria no vídeo abaixo:
Número de Visualizações: 4076

Dicas da Zazou = Enxoval do Bebê & Mala da Maternidade

Já sabe o que precisa comprar para o enxoval do seu bebê? Sabe o que tem que levar na Mala da Maternidade?
Bianca Rinaldi

Pois como sabemos que isto é importante, gera muita dúvida, em especial nas grávidas de primeira viagem. e para ajuda-la nisto, a Zazou preparou uma completa Lista de Enxoval do Bebê e Mala da Maternidade, cheia de dicas úteis e informações que vai precisar e vai usar bastante, baseado em nossa experiência, e que foi sendo ajustada e melhorada ao lngo destes 8 anos de existência da Zazou. Você pode baixa-la do site da Zazou em um arquivo PDF diretamente pelo link abaixo: http://www.zazou.com.br/home/Lista_Maternidade_Zazou.pdf Nem mais e nem menos. Nada que é superfulo, mas sim o que realmente vai usar.
Isabelli Fontana Grávida na Revista Caras
Número de Visualizações: 4716

Nasceu o filho da Ivete Sangalo

Ivete Sangalo deu a luz seu primeiro filho neste final de semana no Hospital Português em Salvador. Por volta das 18h, a cantora chegou ao hospital acompanhada do namorado, Daniel Cady. O menino nasceu de cesariana por volta das 21h e deve se chamar Marcelo. A A criança vem exatamente um ano após Ivete ter perdido o primeiro bebê, mostrando que podemos sempre superar esta situação. Desejamos sucesso para a mãe e saúde para o bebê!
Número de Visualizações: 1427

Grávidas com plano de saúde preferem cesáreas

Dados da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) indicam que o número de cesáreas entre as mulheres brasileiras que detêm plano de saúde é altíssimo: chega em 82,3%, índice que subiu entre 2007 e 2008, quando o porcentual era de 81,3%. Nos hospitais que atendem plano de saúde, a média de partos cesarianos é mantida em torno de 80%. Já nos hospitais conveniados ao SUS (Sistema Único de Saúde), a média de cesáreas fica em torno de 25%. Os números vão na contramão do que orienta o Ministério da Saúde, que tem realizado inúmeras campanhas de estímulo ao chamado parto normal. Há alguns anos, o Brasil era o campeão mundial em cesáreas mas que, mas isto esta mudando devido principalmente ao trabalho desenvolvido pela ANS, esse título saiu das mãos dos brasileiros. A mudança, contudo, aconteceu apenas no âmbito do serviço público, pois, na esfera privada, esses índices ainda são elevadíssimos, se levarmos em consideração o que recomenda a Organização Mundial de Saúde (OMS), cerca de 15% de cesáreas. Seria necessário uma regulamentação do governo também para o setor privado? Outra questão é a valorização do profissional médico que, hoje, ganha a mesma remuneração para fazer os dois tipos de parto, sendo que o parto vaginal demanda uma disponibilidade muito maior por parte dele. Sabemos que é fundamental também um trabalho educativo para esclarecer alguns mitos em torno do parto vaginal, tido, comumente, como mais dolorido para a mulher. Tem paciente que até quer fazer o parto normal, mas quando sente a primeira contratação pede ao médico que opere. E, hoje em dia, essa questão da dor já está muito mais controlada, com anestesia e analgesia específicas. Sendo que a cesárea acaba sendo mais arriscada tanto para a paciente quanto para o bebê, por se tratar de uma intervenção cirúrgica. A mulher que faz o parto normal, seis horas depois já está dando piruetas pelo hospital. Mas aquela que faz a cesárea leva muito mais tempo para se recuperar.
Número de Visualizações: 1409

Video = O passo a passo do teste do pezinho

Um dos primeiros exames que seu filho vai fazer logo depois de nascer é o teste do pezinho, uma triagem do neonatal. Mas você sabe por que ele é indispensável? A revista Crescer da Globo, fez uma interessante matéria e um vídeo sobre o assunto, que tomo a liberdade de trazer para sua informação: A Crescer acompanhou um teste em uma maternidade e como é feita a análise do exame na Associação dos Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE), que avalia metade dos testes realizados no estado de São Paulo. O teste básico é obrigatório e gratuito no Brasil. Ele engloba quatro doenças: fenilcetonúria, hipotireoidismo congênito, anemia falciforme e outras hemoglobinopatias e fibrose cística. Na rede privada, a maioria das maternidades oferece o teste do pezinho ampliado, (chamado de master ou plus), que pode contemplar mais de 30 doenças, como galactosemia e toxoplasmose congênita. Em algumas delas o exame é gratuito, nas em outras pode chega a custar mais de R$ 470. Ele deve ser feito até 48 horas depois do nascimento, desde que o bebê tenha mamado. Pois é o tempo necessário para ativar o metabolismo. Alguns diagnósticos dependem da ingestão do leite. E o resultado é entregue em até 20 dias. Se algum problema é detectado, repete-se o teste. Essa convocação não significa necessariamente que a criança tenha alguma doença. De qualquer maneira, quando o problema é descoberto precocemente, são maiores as chances de evitar complicações e sequelas. Esse teste á uma coleta de sangue, por isso pode ser feita em outras partes do corpo, como no braço. O exame ganhou este nome porque, nos primeiros programas de triagem neonatal, a coleta era feita na parte lateral do pé do bebê, que é mais irrigada e dói menos. Bebês amamentados durante o teste do pezinho sentem menos dor. A constatação é da enfermeira Adriana Moraes Leite, do Hospital das Clínicas, que comparou o comportamento de 60 recém-nascidos. Durante a fase da coleta, apenas 45,2% dos bebês amamentados choraram, contra 100%. Além disso, a amamentação ajudou a normalizar a frequência cardíaca dos pequenos. Em alguns países, a incidência de determinadas doenças é maior que em outras. Por isso, os testes de rotina variam. Na França, por exemplo, há muitos casos de toxoplasmose. Em Israel, analiza-se a atividade de fosfato 6 desidrogenase, uma enzima que protege as hemácias de se desmancharem mais cedo do que deveriam. No Brasil, não há estudos sobre a incidência. Vejam mais no vídeo abaixo da Crescer:
Número de Visualizações: 1876

Nasceu a filha de Ticiane Pinheiro e Roberto Justus = Rafaella c/ 3,5 kg e 48,5 cm

Demorou, mas chegou! Nasceu na noite desta terça-feira, 21, às 20h14, aproximadamente, Rafaella Pinheiro Justus, filha do casal de apresentadores Ticiane Pinheiro e Roberto Justus. Rafaella nasceu com 3,5kg e 48,5cm. O bebê veio ao mundo através de uma cesariana no hospital Albert Einstein em São Paulo. Ficamos muitos felizes pelos três, pois tivemos a oportunidade de participar um pouco desta fase tão bonita da gravidez da Ticiane, que ela curtiu e aproveitou bastante, sendo que inclusive nos deu o prazer de se vestir neste período com as nossas roupas. Além do que, tambpem fez questão de ser a estrela do nosso catalogo de alto inverno 2009 de roupas de grávida da Zazou Gestante. Ticiane Pinheiro Grávida como Modelo do Catalogo de Alto Inverno da Zazou Gestante “O cordão umbilical e a posição do bebê, que estava alto, impossibilitaram o parto normal.”, contou a avó materna Helô Pinheiro. Segundo Helô, Rafaella puxou a família do pai. “Ela parece com o Justus. Ele assistiu ao parto, deu o primeiro banho, se emocionou e chorou muito. São nessas horas que as pessoas podem ver esse outro lado dele, afetivo, humano. Ele sempre foi um paizão.” A previsão inicial era a de que Rafaella nascesse na sexta-feira, 17. No sábado, 18, Ticiane até sentiu algumas contrações, mas não teve dilatação e, depois de ser examinada por um médico, voltou para a casa. Ticiane Pinheiro está no quarto e já amamentou Rafaella pela primeira vez. “Minha filha ainda não pode falar, mas isso é normal por causa da cesárea. Para se comunicar, ela está escrevendo”, explicou Helô – que vai passar a noite com a filha. Ticiane e Rafaella passam bem e ainda não têm previsão de alta. Desejamos que ela cresça com muita saúde e beleza. Que faça o mesmo sucesso que os pais.
Número de Visualizações: 2968

Video = Convivência entre mãe e bebê é fundamental logo depois do parto

O Programa Globo Comunidade fez recentemente uma interessante matéria em que mostra que a convivência entre mãe e bebê é fundamental logo depois do parto. O objetivo da maternidade é humanizar cada vez mais o contato entre os pais e o recém nascido. No colo da mãe, o bebê se sente seguro, protegido e amado. Veja o vídeo abaixo:
Número de Visualizações: 1824

Video = Doulas fazem a diferença nas maternidades do Recife

O programa Bom Dia Brasil fez uma matéria em que mostra que as Doulas fazem a diferença nas maternidades do Recife. Pegar na mão, dar atenção, encorajar, fazer massagem e orientar as gestantes que esperam para dar à luz são algumas atribuições dessas mulheres que servem de forma voluntária. Veja quem são as doulas no vídeo abaixo:
Número de Visualizações: 1364

Dica da Promoção da Bavette

Fioca a dica de uma outra boa promoção para as grávidas antenadas que gostam do que é bom, pois a loja Bavette esta fazendo uma promoção com descontos no que ela faz de melhor no mercado que são portas e lembrancinhas de maternidade, além de doces artesanais lindos e gostosos todos personalizados para servir para seus convidados na maternidade e até no batizado: http://www.bavette.net Apenas como referência para chegar, a Bavette fica exatamente em frente da loja da Zazou do outro lado da rua.
Número de Visualizações: 7162

Video = Convivência entre mãe e bebê é fundamental logo depois do parto

O objetivo da maternidade é humanizar cada vez mais o contato entre os pais e o recém nascido. No colo da mãe, o bebê se sente seguro, protegido e amado. Por isto que a convivência entre mãe e bebê é fundamental logo depois do parto. Veja mais detalhes no vídeo abaixo que traz uma matéria interessante sobre o assunto com mais informações úteis:
Número de Visualizações: 2146

Video = Preparação para o Parto

Você sabe como vai ser no dia do nascimento do seu bebê? Conhece todos os detalhes de como é um parto? Esta preparada? Pois segue então um video abaixo que mostra uma matéria feita pelo GNT que mostra algumas entrevistas contando um pouco mais de detalhes para que você fique melhor informada:
Número de Visualizações: 1302

Video = O que acontece com uma grávida quando ela chega à maternidade?

O que acontece quando você chega na maternidade para ter o bebê? Trago no vído abaixo uma matéria bem legal da Revista Crescer em que a editora-assistente Daniela Tófoli mostra, quais são as etapas que a mãe passa antes de receber seu bebê no quarto. A primeira consulta acontece assim que a gestante chega à maternidade. Nesse momento é realizada a cardiotocografia para avaliar a vitalidade do coração do bebê, assim como a presença – ou não - das contrações uterinas. Por esse exame, também são analisadas as funções vitais da mãe como pressão e pulso. O exame de toque vaginal também é feito neste momento para se ter a certeza do trabalho de parto. No pré-parto, as grávidas recebem medicação e realizam exames contínuos até a hora do nascimento. Aquelas que optam pelo parto normal podem ficar em um quarto especial chamado Delivery onde há algumas particularidades como cromoterapia, uso de banheira e bola, que são medidas para abreviar o trabalho de parto e a dor. No parto normal, se o bebê estiver bem, é levado para o colo da mãe. Depois disso, passa por um exame minuscioso do pediatra. Já no parto cesariano, ele é apresentado aos pais, encaminhado para um exame pediátrico e, depois, para o colo da mãe. Na unidade de recepção do recém-nascido, o bebê fica em observação de 3 a 5 horas. É nesse local que acontece o primeiro banho. Depois de liberado, vai para o quarto da mãe. Após 48 horas do parto normal o bebê recebe alta. Na cesárea, depois de 72 horas.
Número de Visualizações: 2375

Estudo suíço avalia principais causas de mortes neonatais

Queria trazer novamente para sua atenção o tema dos prematuros e das UTI Neonatais. Um recente artigo publicado na revista Neonatology chama a atenção para o fato de que as decisões médicas tomadas no fim da vida do recém-nascido parecem variar amplamente entre diferentes países. Diversos estudos e levantamentos mostram que as mortes neonatais (até 28º dia de vida) ainda representam a maior porcentagem da mortalidade infantil. Muitas delas são precedidas por decisões médicas tomadas no final da vida do recém-nascido, e a despeito da importância do tema, tais práticas parecem variar amplamente de país para país. Interessados no assunto, pesquisadores suíços resolveram analisar quais são as principais causas e circunstâncias de todas as mortes neonatais que ocorreram ao longo de um período de 10 anos (1997 a 2006) no Children's Hospital of Lucerne (em Lucerne, Suíça), hospital onde os autores trabalham. Segundo artigo publicado revista científica Neonatology, foram feitos 72 mil partos de bebês vivos, com 108 mortes identificadas. Destas, 29 ocorreram na sala de parto (taxa de mortalidade de 0,2%) e 79 na unidade de tratamento intensivo neonatal (NICU) (taxa de mortalidade de 2,3%). A maioria das mortes na DR ocorreu no setor sem intervenção primária e foram relacionadas à prematuridade extrema (20 casos), malformações congênitas letais (6 casos) e trissomia do cromossomo 13 (2 casos). Um paciente com asfixia perinatal grave morreu apesar de todos esforços de ressuscitação. Os pesquisadores observaram também que, na NICU, a taxa de mortalidade global foi inversamente relacionada à idade gestacional, em outras palavras, quanto menor o tempo de gravidez até o parto, maior o número de mortes. Além disso, insuficiências cardiovascular e respiratória foram causas predominantes de morte em crianças prematuras com uma idade gestacional inferior a 32 semanas, ao passo que lesões do sistema nervoso central responderam pela maioria das mortes na população mais madura da NICU. As decisões tomadas ao fim da vida foram comuns, com menos de 10% das mortes ocorrendo a despeito de atendimento intensivo máximo. O estudo destaca que, no centro de saúde analisado, a ausência de intervenção primária e o redirecionamento do atendimento são as circunstâncias mais comuns de morte de neonatos. Isso reflete nossa crença de que, independente dos fracassos, considerações sobre a qualidade de vida são parte importante da tomada de decisão na neonatologia.
Número de Visualizações: 1572

Vídeo = Caso da Menor Bebê do Brasil

Casos de nascimento de bebês prematuros são comuns, assim como é cada vez mais normal de vermos eles sobrevivendo e tendo uma vida normal depois. Trago hoje para este nosso Blog, um caso destes em que os médicos do Rio lutam há dez dias para salvar um bebê que está sendo considerado um dos menores do Brasil. A menina, que nasceu no quinto mês de gestação, hoje pesa menos de 300 g! O parto prematuro teria sido causado por uma rejeição da placenta. A bebê está internada desde o dia 16 de abril em um hospital da Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio. Ela nasceu com apenas 385 g e tinha, aproximadamente, 20 centímetros de comprimento. Hoje, seu peso está em 290 g. Segundo os médicos, no entanto, essa perda de peso, no caso de prematuros, é considerada normal. Segundo médicos e conhecidos da família, a menina passou por uma cirurgia para corrigir um problema no coração. Foram organizadas ainda correntes de oração pela sua recuperação. Segundo especialistas, são raros os casos de sobrevivência de recém-nascidos tão prematuros. No entanto, nos últimos anos, com os avanços da medicina, as vitórias têm sido mais frequentes. Daí a importância de escolher uma boa maternidade, com recursos e especialistas para tratar deste tipo de situação delicada, com uma UTI Neonatal de primeira. O caso mais famoso foi o da menina Amillia, considerado o menor bebê do mundo, que nasceu em Miami, nos Estados Unidos, em outubro de 2006, com 280 g, dez a menos que a bebê carioca. Hoje, com 2 anos e meio, Amillia leva uma vida saudável. Assim como Arthur, também do Rio, que desde agosto de 2006 vinha sendo considerado o menor bebê do Brasil. Ele nasceu com 385 g e ficou quatro meses na UTI. Hoje, aos 2 anos e 8 meses, só dá alegria aos pais. Veja abaixo o vídeo com uma matéria do Jornal Nacional da TV Globo que mostra mais detalhes:
Número de Visualizações: 1645

Perinatal inaugura maternidade seis estrelas na Barra

As suítes de 60 m2, incubadoras em boxes individuais e um berçário por andar são novidades da nova unidade da Perinatal na Barra, que ganhou a primeira maternidade seis estrelas do país. A Perinatal inaugurou recentemente uma unidade na região que mais cresce no Rio de Janeiro, com um padrão inédito no Brasil e ainda raro no mundo. Todo o conceito de atenção especial a gestantes e bebês, desenvolvido pela unidade de Laranjeiras em 17 anos de vida, será levado para a Barra. A nova unidade conta com UTI neonatal, UTI materna, sala de recuperação pós-anestésica, sala de parto natural, e traz inovações como 14 suítes VIPs, com 60 m2 cada, com varanda. O novo modelo de atendimento aos recém-nascidos de alto-risco, implantado na unidade Barra, é outro forte diferencial. A UTI neonatal da nova unidade da Perinatal contará com 60 leitos especiais: as incubadoras serão instaladas em boxes individuais, para que os bebês sejam assistidos pelos pais, em total privacidade, 24 horas por dia. Além disso, os recém-nascidos serão monitorados por um circuito interno de TV, que exibirá as imagens em TVs instaladas no interior das UTIs. A Perinatal Barra conta com 81 leitos em toda a unidade, divididos em 13 quartos duplos, 41 apartamentos standard e 14 suítes VIPs de 60m2, compostas por 2 ambientes, com varanda, que garantem privacidade total às famílias dos recém-nascidos. Como garantia de conforto, a nova maternidade seis estrelas tem um berçário por andar. “Na Perinatal, grávida não é doente, é mãe. Por isso, precisa receber tratamento exclusivo”, explica o médico Manoel de Carvalho, um dos fundadores e diretor da Perinatal. A preocupação em oferecer cuidados especiais para as gestantes se reflete em investimentos em serviços de hotelaria. Na Perinatal Barra, as mães que optarem por suítes VIP terão acesso, 24 horas por dia, a serviços de concierge e gastronomia exclusivos. Há ainda um espaço gourmet, além de cabeleireiros e maquiadores, preparados para deixar as novas mães mais bonitas. O médico José Maria Lopes, também fundador e diretor da Perinatal, conta que o tratamento de excelência da Perinatal para recém-nascidos vai ser aprimorado na Barra. “A construção da nova unidade é a realização de um sonho. Temos certeza que, com a expansão, os resultados no tratamento de bebês prematuros serão ainda mais expressivos”, diz Lopes. Os resultados surpreendem. Os números de sobrevida dos bebês prematuros que nascem na Perinatal estão equiparados com os do Instituto Vermont, instituição que reúne as 400 melhores unidades neonatais do mundo - a maioria nos Estados Unidos e na Europa. Para os nascidos entre 500g e 1500g, por exemplo, a taxa de sobrevida na Perinatal é de 83%; na Vermont o índice é de 86%. Já para os nascidos entre 1100g e 1500g, o índice de sobrevida da Perinatal ultrapassa os do Instituto Vermont. São 93% na Perinatal contra 92,5% do Vermont.
Número de Visualizações: 4214

Enfeite de Porta de Maternidade

Já decidiu se vai colocar um enfeite de porta de maternidade? Como vai ser? Enfeite de Porta de Maternidade da Alexandra
Número de Visualizações: 6956

Dez sinais que merecem atenção no final da gravidez

A gestação é um período mágico para a mulher, mas também traz muitas dúvidas, inclusive para saber quando chegou a hora de o bebê nascer, o que significa o rompimento da bolsa ou a eliminação do tampão são também algumas delas. Você sabe quando esta na hora de ir para maternidade e ter seui bebê? Saiba que apenas um profissional pode avaliar quando a futura mamãe está em trabalho de parto. Avaliando entre vários sinais: a dilatação, o número de contrações, a presença da bolsa, os batimentos cardíacos do bebê, se já perdeu o tampão (muco protetor que fecha o colo do útero e impede a entrada de bactérias). Apesar da opinião médica ser fundamental, a futura mamãe precisa ficar atenta a detalhes no final da gravidez para saber quando procurar o seu médico e como se preparar para a hora do parto. Confira, a seguir, alguns sinais e algumas dicas importante e íteis de que o bebê está prestes a nascer: 1) No fim da gravidez, a barriga vai abaixando, porque o bebê está se posicionando para o nascimento. 2) Sentir as famosas contrações não é sinônimo de que está em trabalho de parto. Normalmente, elas só indicam que a criança está prestes a nascer quando obedecem um determinado ritmo: três contrações seguidas, que duram mais de um minuto cada, no intervalo de 10 minutos. 3) As contrações são causadas pela liberação de substâncias que preparam o corpo para o parto, principalmente pela ocitocina. As dores começam nas costas e se conduzem para frente, em direção à vagina. 4) A bolsa é uma proteção contra as agressões do meio externo. Quando rompe, a mulher elimina o líquido amniótico e há a tendência de entrada de bactérias, por exemplo. Mas, calma, uma contaminação pode levar horas ou dias para ocorrer, o que não elimina a necessidade de procurar um médico caso isso aconteça. 5) Em média, a mulher tem cerca de 1 a 1,5 litro de líquido amniótico. Ele pode ser claro, amarelado ou esverdeado. Se estiver esverdeado, é sinal de que há sofrimento fetal (a criança está passando por algum problema e, neste caso, precisa nascer logo). 6) O rompimento da bolsa não significa necessariamente que a grávida está em trabalho de parto. 7) O fato de cair o tampão (substância que protege, temporariamente, o colo do útero e evita a entrada de bactérias) não significa, obrigatoriamente, que a mulher está prestes a dar à luz. Conforme vai chegando o momento do nascimento, o bebê pode forçar para abrir um pouco o colo (dilatação) e a mãe acaba liberando esse muco protetor. A perda do tampão facilita a ruptura da bolsa. 8) O tampão é gelatinoso e pode ser branco ou amarelado. 9) Se sentir contração, a bolsa romper ou eliminar o tampão, procure um médico. Isso vale também caso tenha algum sangramento ou outro desconforto. Portanto, tenha sempre à mão o telefone do profissional e da maternidade. 10) Quando a gravidez chegar a 36 semanas, é importante deixar uma mala pronta para a mamãe e o bebê. Para saber exatamente o que deve levar, informe-se no hospital, porque há maternidades que fornecem camisolas ou que não usam as roupas dos bebês nos primeiros dias.
Número de Visualizações: 1610

Video = Maternidade Pública Modelo

Gostaria de trazer uma matéria da Globo que mostra a Maternidade Herculano Pinheiro, que fica em Madeureira no subúrbio do Rio, como um exemplo de modelo de maternidade pública a ser seguida. Lá acontecem 400 partos por mês e a família das pacientes é sempre bem-vinda. Veja no vídeo abaixo como o atendimento é humanizado: Em qual maternidade pretende ter o seu filho? Como é o tratamento por lá? O parto é humanizado? Aguardo seus comentários!
Número de Visualizações: 1254

Video = UTI neonatal de maternidade no Recife é interditada

O cuidado ao escolher a maternidade é importante. Você já escolheu aonde vai ter seu bebê? Veja só abaixo o video de uma recente matéria do Jornal Nacional da TV Globo, que mostra que uma infecção em seis bebês levou a Agência Sanitária Estadual de Pernanbuco, a fechar a unidade de terapia intensiva do Hospital das Clínicas, que é por incrível que pareça referência em casos de gravidez de risco. Os partos estão suspensos.
Número de Visualizações: 1543

Berço esplêndido = Maternidade Seis Estrelas

Câmeras acopladas aos berços para os pais acompanharem os filhos e quarto vip de 60 m2 são alguns dos diferencias da Perinatal Barra, no Rio, que será inaugurada hoje. Outro diferencial é a UTI neonatal, com incubadoras instaladas em boxes individuais. Com investimento de R$ 50 milhões, a nova unidade é considerada uma maternidade seis estrelas, única no país. Quarto da Nova Maternidade Perinatal na Barra no Rio de Janeiro
Número de Visualizações: 1546